terça-feira, 19 de julho de 2016

Ação da PF resulta em 23 suspeitos presos por aplicar golpes que superam R$ 10 mi

Ação da PF
 Após a ação da Polícia Federal denominada “Operação Ali Babá" resultou na prisão de 23 suspeitos de integrar uma organização criminosa que aplicava golpes na Caixa Econômica Federal e outras instituições financeiras na Bahia. Ação começou por volta das seis horas da manhã desta terça-feira (19/07).

Na ação foram utilizados cerca de 140 policiais, que cumpriram 25 mandados de prisão – sendo 10 preventivas e 15 temporárias –, 28 mandados de busca e apreensão e quatro mandados de condução coercitiva nas cidades de Salvador, Feira de Santana, Seabra, Palmeiras, Monte Santo, Presidente Tancredo Neves e Remanso, todas na Bahia.
 
Segundo apurado durante as investigações, a organização criminosa operava desde 2006, e sua principal forma de atuação era através da constituição de empresas inidôneas, em nome de “laranjas”, com as quais eram obtidos empréstimos vultosos junto a diversas agências bancárias, de vários bancos. Após recebidos, os créditos jamais eram restituídos. O esquema também contava com pessoas especializadas no fornecimento de documentos falsos, que viabilizavam a constituição das empresas e a obtenção dos empréstimos fraudulentos.
Até o presente momento foram identificadas 19 empresas envolvidas no esquema, mas suspeita-se que esse número seja muito maior. Só no ano de 2013, foram constatados prejuízos superiores a dez milhões de reais. Todos os envolvidos deverão responder por organização criminosa e estelionato, previstos, respectivamente, nos artigos 2º da Lei 12.850/2013 e 171 do Código Penal.
 
Segundo informações prestadas pelo delegado da PF Wal Goulart, que comanda a operação, foi constatado prejuízo de R$ 10,5 milhões causado pelo grupo aos bancos só em 2013, mas o valor pode ser maior, porque a organização continuou em atuação.
 
"O único prejuízo computado é de R$ 10,5 milhões. Agora, com a coleta de provas, vamos descobrir novos sócios. Cerca de mil empresas foram criadas por esse grupo", afirma.
Ainda segundo o delegado, além da Caixa Econômica Federal, também foram constatados prejuízos nos bancos Itaú, Santander, Bradesco e Banco do Brasil.
 
Entre os presos pela PF, estão sócios "laranjas" e dois que atuavam como contadores do grupo. Todos deverão responder por organização criminosa e estelionato, crimes previstos, respectivamente, nos artigos 2º da Lei 12.850/2013 e 171 do Código Penal. Segundo o delegado, a polícia ainda investiga a participação de outras pessoas que produziram documentos falsos para viabilizar o golpe.
 
Duas pessoas que foram alvos de mandados de prisão não foram encontrados e, se não se apresentarem à PF nesta terça, serão considerados foragidos. Os nomes dos suspeitos não foram divulgados pela polícia.

Homem é preso em Feira após droga ser entregue via Sedex em condomínio

Droga apreendida
 Um homem foi preso após uma encomenda via Sedex com drogas chegar à casa dele em Feira de Santana, a 100 quilômetros de Salvador. O caso ocorreu na segunda-feira (18/07), no bairro Mochila, mas as informações foram divulgadas pela Polícia Militar nesta terça (19/07).

De acordo com a PM, o porteiro do condomínio sentiu um forte mau cheiro quando recebeu o pacote e resolveu acionar a PM.
 
Segundo a polícia, ao chegar ao residencial, a cadela farejadora "Teka" identificou o material suspeito e, ao abrir a encomenda, foram encontrados 300 gramas de haxixe, 103 adesivos de LSD, 171 comprimidos de ecstasy, balança digital, bloco com anotações com contabilidade, embalagens diversas e uma quantia em dinheiro.
O homem que seria o destinatário do Sedex foi preso e encaminhado à Delegacia de Tóxico e Entorpecentes (DTE) de Feira de Santana. O material apreendido também foi levado para a DTE.
 
Informações do g1 

Justiça do Rio determina bloqueio do serviço do WhatsApp novamente

WhatsApp
 A juíza de fiscalização da Vara de Execuções Penais do Rio Daniela Barbosa Assunção de Souza determinou a suspensão do serviço do aplicativo de mensagens WhatsApp em todo o Brasil.

Esta é a terceira vez que o WhatsApp é bloqueado pela Justiça no Brasil. Em todos os casos, a suspensão foi uma represália da Justiça por a empresa ter se recusado a cumprir determinação de quebrar o sigilo de dados trocados entre investigados criminais.
 
O primeiro bloqueio foi em dezembro do ano passado e ocorreu a pedido da 1ª Vara Criminal de São Bernardo do Campo, que determinou a suspensão do serviço por 48 horas. A decisão foi derrubada 12 horas depois, quando o próprio WhatsApp impetrou um mandado de segurança pedindo o restabelecimento do serviço.
 
Houve ainda uma outra tentativa da Justiça de derrubar o serviço, em fevereiro. Da mesma forma, o objetivo era forçar a empresa a colaborar com investigações sobre casos de pedofilia na internet, desta vez da polícia do Piauí. A decisão, porém, foi suspensa pelos desembargadores Raimundo Nonato da Costa Alencar e José Ribamar Oliveira, do Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI), que concederam liminares sustando os efeitos da decisão do juiz Luiz de Moura Correia, da Central de Inquéritos do Poder Judiciário em Teresina, que suspendia o uso do aplicativo WhatsApp em todo o Brasil.
 
A segunda paralisação do serviço ocorreu em maio, por determinação da Justiça de Lagarto, no Sergipe. Na época, o bate-papo foi bloqueado por 72 horas.
 
Informações do g1 

Polícia prende dupla de idosos que cometia crime de estelionato na BA

Cartões apreendidos
 Dois idosos, de 63 e 67 anos, foram presos por crime de estelionato no município de Itagibá, região sul da Bahia, na segunda-feira (18). Os suspeitos se apresentavam como funcionários que estavam atualizando os dados cadastrais da previdência social. Após obter os documentos das vítimas, eles aplicavam o golpe.

Segundo informações da delegacia da cidade, os idosos foram descobertos depois de denúncias anônimas. A dupla foi abordada em um veículo quando estavam a caminho do município de Gongogi.
 
No momento da prisão, um dos idosos apresentou um documento de identificação falso. Com a dupla foram apreendidos vários cartões de créditos e documentos de identificação.
 
A polícia informou ainda que os idosos já respondem por crime de estelionato nos municípios de Buerarema, Dário Meira eNova Canaã. A dupla foi encaminhada para delegacia de Itagibá, onde segue presa nesta terça-feira (19).
 
Informações do g1 

PF realiza a “Operação Ali Babá” em Feira de Santana e mais seis cidades

Polícia Federal
 A Polícia Federal deflagra, na manhã desta terça-feira (19/07), uma operação com objetivo de desarticular uma organização criminosa responsável por aplicar golpes na Caixa Econômica Federal e em diversas outras instituições financeiras na Bahia. Segundo a PF, só em 2013, foram constatados prejuízos superiores a R$ 10 milhões.

A Operação Ali Babá atua nas cidades de Salvador, Feira de Santana, Seabra, Palmeiras, Monte Santo, Presidente Tancredo Neves e Remanso, todas na Bahia. Na capital baiana, são cumpridos mandados no bairro de Pernambués, na Rua Thomás Gonzaga, em uma loja de material de construção, e na Rua Hilton Rodrigues, na Pituba.
 
Cerca de 140 policiais federais cumprem 25 mandados de prisão, 10 preventivas e 15 temporárias; 28 mandados de busca e apreensão e quatro mandados de condução coercitiva. 
 
De acordo com a investigação, a organização criminosa operava desde 2006, atuando através da constituição de empresas irregulares, em nome de “laranjas”, com as quais eram obtidos empréstimos com valores altos, junto a diversas agências bancárias, de vários bancos. Os créditos não eram restituídos.
Segundo a PF, o esquema também contava com pessoas especializadas no fornecimento de documentos falsos, que facilitavam a constituição das empresas e a obtenção dos empréstimos fraudulentos.
 
A polícia identificou 19 empresas envolvidas no esquema, mas suspeita que o número de envolvidos seja muito maior. Todos deverão responder por organização criminosa e estelionato, crimes previstos, respectivamente, nos artigos 2º da Lei 12.850/2013 e 171 do Código Penal.
 
Informações do g1 fotos Jorge Magalhães

Centro de Operações inicia nova fase da Segurança Pública na Bahia

Centro de Operações d
 As ações de combate ao crime na Bahia dão salto de qualidade com o Centro de Operações e Inteligência de Segurança Pública 2 de Julho, inaugurado nesta segunda-feira (18/07), pelo governador Rui Costa e o secretário da SSP, Maurício Teles Barbosa. O equipamento reúne em um único espaço todas as forças de segurança do estado (polícias Militar, Civil, Técnica e Corpo de Bombeiros), além de agregar as forças federais e municipais.

A estrutura nasce como o maior centro de operações policiais da América do Sul, resultado da preocupação e do esforço do governo baiano em melhorar a segurança pública na capital e no interior do estado. 
 
Duzentos e sessenta milhões foram investidos em todo o projeto, incluindo a aquisição de equipamentos inovadores, que vão facilitar o trabalho das polícias em Salvador e no interior do estado. O centro funcionará como cérebro operacional da Segurança Pública, envolvendo a participação de mais de 400 profissionais.
“A determinação do nosso governo é planejar ações que estejam à altura dos baianos. Ocentro é o maior da América do Sul e funcionará integrado às estratégias na área da segurança que temos desenvolvido em todo o estado. É nossa maior realização no âmbito da segurança pública na Bahia até o momento”, afirma o governador Rui Costa.
 
Já Barbosa destacou a importância do centro como facilitador dos trabalhos de todas as polícias. “É um espaço que além de facilitar o trabalho das polícias Militar, Civil, Técnica e do Corpo de Bombeiros proporcionará um suporte maior às atividades realizadas no interior do estado, já que a tecnológica permite o acompanhamento mais aproximado das ações realizadas à distância, através do videomonitoramento”, destacou.
 
Imagens em tempo real
Na sala de monitoramento, nesta primeira etapa, uma tela de 14 metros de largura por 7 metros de altura receberá imagens em tempo real das cerca de 1000 câmeras integradas ao sistema, além das câmeras da CCR, empresa que opera o metrô de Salvador, e da concessionária ViaBahia, que administra as BR-324 e BR-116. Além de receber imagens captadas do imageador acoplado ao helicóptero da PM, em tempo real, o centro possui um heliponto que dará mais agilidade às ações policiais emergenciais.
“Também vamos oferecer à iniciativa privada, a exemplo de shoppings e bancos, a possibilidade do envio de imagens que são geradas por suas centrais de monitoramento para o nosso centro”, acrescenta o secretário. Segundo ele, já existem parcerias firmadas com prefeituras para que imagens geradas pelos municípios também enviem suas imagens para o equipamento do Governo do Estado.

Gestão
“A tomada de decisão fica muito mais qualificada”, esclarece o secretário sobre a nova unidade. A partir do Centro de Operações 2 de Julho serão monitoradas as imagens transmitidas em tempo real de câmeras instaladas em Salvador, região metropolitana e interior, além do acesso aos posicionamentos das viaturas, via GPS. “As imagens possibilitam uma melhor gestão das ocorrências e geram um efeito preventivo”, ressalta Barbosa.
O sistema de vigilância também se comunicará com as duas unidades móveis da SSP equipadas com câmeras, utilizadas em grandes eventos e em ações de investigação criminal e ocorrências como incêndios e desastres naturais. Os 11 Centros Integrados de Comunicação (Cicoms) instalados no interior e mais os 11 a serem inaugurados até o final do ano também estarão interligados ao Centro de Operações e Inteligência.
 
Barbosa lembra ainda que o sistema prevê a participação de entidades públicas federais e municipais e da sociedade no projeto de monitoramento de imagens de câmeras de vídeo, garantindo maior raio de cobertura de vigilância e controle. Tanto prefeituras do interior quanto entidades como associações de moradores poderão integrar seus sistemas de vigilância ao Centro de Operações.
 
A estrutura contará ainda com um espaço para a Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização (Seap), destinado ao monitoramento daqueles que cumprem pena e são observados por meio da utilização de tornozeleira eletrônica.
 
No prédio de quatro andares, localizado no Centro Administrativo da Bahia (CAB), numa área de 13 mil metros quadrados, passam a operar o Call Center 190 da Polícia Militar, a Superintendência de Inteligência da SSP, o Centro Integrado de Comando e Controle Regional, além de sala de crise para o governador (que poderá ser utilizada em situações emergenciais), gabinete do secretário e salas para o comando-geral da Polícia Militar, delegado-geral da Polícia Civil, diretoria do Departamento de Polícia Técnica e comando-geral do Corpo de Bombeiros Militar.
 
Informações Ascom SSP-BA e fotos: Jorge Luiz Cordeiro

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Polícia apreende 1 tonelada e meia de maconha em fundo falso de caminhão

Droga apreendida
 Operação conjunta entre a Polícia Federal, a Polícia Militar e a Polícia Civil resultou na apreensão de uma tonelada e meia de maconha e na prisão de quatro pessoas em flagrante na tarde de sábado (16), em Dias D'Ávila, na região metropolitana de Salvador.

Segundo a Polícia Federal, a droga saiu do Mato Grosso e era levada para Dias D'Ávila no fundo falso de um caminhão. Outros dois veículos, usados pelo grupo como "batedores", foram apreendidos pela polícia.
 
O material apreendido foi apresentado na sede da superintendência da PF, em Salvador. Os quatro suspeitos presos foram colocados à disposição da justiça estadual e devem responder pelo crime de tráfico interestadual de entorpecentes.
 
Informações do g1