sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Ex-agente penitenciário acusado de matar empresário Gil Porto nega acusações

Local do crime
 Por intermédio do seu advogado, o ex-agente penitenciário, Gregório dos Santos Teles, apontado pela polícia como autor e mentor do assassinato do empresário Gil Marques Porto Neto, no dia 21 de maio deste ano, nega a participação no crime.

Em contato com alguns meios de comunicação, na tarde desta quinta-feira (31/07), o advogado Jair Almeida, que foi constituído para a defesa de Gregório, no momento do crime o acusado estava na praça da Matriz. “Ele foi taxativo ao dizer que não participou desse homicídio. Ele não foi autor e nem mentor. No dia do crime, Gregório disse que estava na praça da Matriz, de onde saiu por volta das 19h30 indo direto para casa. Na região da praça tem câmeras de segurança e a versão dele pode ser confirmada”, disse o advogado.
Sobre a escritura encontrada na casa de Gregório, o advogado informou que não pode comentar com toda a certeza, já que não teve acesso a ela, mas que provavelmente seja do mesmo terreno vendido por Gil Porto Neto.
 
“Gregório disse que por três oportunidades esteve com o Gil para conversar sobre o terreno e que, inclusive, da última vez, ele reconheceu a escritura do Gil como verdadeira e que a partir daquele momento deixaria essa história pra lá. Gregório não chegou a vender esse terreno, apesar de ter colocado a placa de venda, justamente por interferência do empresário”, informou.
Ainda segundo o advogado, Gregório teria informado que em um desses encontros com Gil, eles alteraram a voz, mas que não houve ameaça. Jair Almeida afirma que a escritura foi feita em um cartório, provavelmente, do distrito de Tiquaruçu e que não é falsa.
 
“A escritura é uma cessão de posse e é verdadeira. A aquisição do terreno, de acordo com o documento, foi das mãos de um homem chamado Joselito, que não me recordo o sobrenome”, disse.

Ônibus da Princesinha pega fogo na Presidente Dutra

Local do incidente
 Um ônibus da empresa Princesinha, B61, placa LPL-0130 pegou fogo na noite de quinta-feira (31/07), na Avenida Presidente Dutra, em frente ao Centro de Cultura Amélio Amorim, em Feira de Santana.

O veículo do Sistema de Transporte Municipal, que fazia linha para o bairro Aviário passava pelo bairro Capuchinhos no momento em que as chamas começaram a tomar o veículo. O motorista, o cobrador e um passageiro estavam no ônibus no momento do incidente, mas ninguém se feriu. 
 
O Corpo de Bombeiros foi acionado para debelar as chamas, mas em pouco tempo o ônibus ficou completamente destruído. A causa do incêndio ainda é desconhecida.
De acordo com o coordenador da Princesinha, Jéferson Carlos, o motorista informou que o fogo começou pelo motor. Ele acredita que houve um curto circuito.

Polícia elucida crime e investiga existência de grupo de extermínio e grilagem de terras em Feira

Delegados
 Após a elucidação do assassinato do empresário do ramo de imóveis, Gil Marques Porto Neto, a cúpula da polícia civil de Feira de Santana concedeu entrevista coletiva no final da manhã desta quinta-feira (31/07) e prestaram esclarecimentos sobre a existência de um grupo de extermínio e de grilagem de terras, na cidade.

A entrevista aconteceu na sede da Delegacia de Homicídio e Proteção a Pessoa (DHPP), localizada no Complexo de Delegacias, no Bairro Sobradinho. “O mentor e autor da morte de Gil Porto foi Gregório. Ele, além de fazer parte de um grupo de extermínio, também é integrante de uma quadrilha de grilagem que faz parte do Crime Organizado que vem acontecendo na cidade”, frisou a delegada Dorean dos Reis Soares.
Durante a entrevista, os delegados deram detalhes sobre o esquema de invasão de terras para comercialização ilegal praticados pela quadrilha, da qual Gregório faz parte. Eles alertaram a população para denunciar na delegacia casos de extorsão motivados por vendas ilegais de terrenos pelo grupo.
 
“A quadrilha identifica o terreno que pode ser da prefeitura ou particular, invade e cerca a área; depois espera cerca de cinco a dez dias e se os donos não aparecerem eles levantam o muro”, disse a delegada.
 
GIL PORTO – os delegados confirmaram que o ex-agente penitenciário Gregório Santos Teles é o mentor e o executor do assassinato do empresário ocorrido no dia 21 de maio deste ano, no Largo São Francisco, no Bairro Kalilandia.
O delegado Ricardo Brito afirmou que o crime foi motivado pela venda de um terreno feita inicialmente por Gil Porto e que foi invadido pela quadrilha, causando uma rixa entre a vítima e o autor.
Segundo a delegada, Gil Porto não registrou queixa contra Gregório, mas várias pessoas comentaram e afirmaram que o corretor estava sendo ameaçado de morte.
 
“O corretor não registrou porque achou que iria resolver o problema. Gil Porto vendeu legalmente o terreno, agiu como corretor, recebeu pela corretagem. Gil Porto foi defender o cliente dele. Ele morreu porque foi correto, porque foi direito, porque vendeu e queria entregar o terreno ao verdadeiro dono, totalmente desembaraçado. Ele foi uma pessoa correta que foi vítima dessa quadrilha”, declarou Dorean.
 
O crime
Gil Porto Neto foi assassinado por volta das 19h do dia 21 de maio, quando conduzia um veículo BMW branco, de placa OLF-2525. Ele foi alvejado com sete tiros, sendo quatro deles no rosto. Segundo populares, dois homens em uma motocicleta de cor vermelha efetuaram os disparos e fugiram. Baleado, Gil Porto perdeu o controle do veículo, que subiu em uma calçada e colidiu em um muro. O empresário ainda foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para o Hospital São Matheus, mas não resistiu.
 
Documentos falsos 
A delegada explica que o documento, é uma escritura de sessão de posse, não é uma escritura pública de compra e venda. “Vamos apurar também se o cartório tem participação, por que eles podem falsificar, como também tem extrato de IPTU pago deste terreno, onde sabemos que a quadrilha falsifica pagamentos de IPTU e de outras taxas” informou a delegada.
“Gregório é um dos grandes grileiros daqui de Feira de Santana, ele é o líder dessa quadrilha e também faz parte de um grupo de extermínio. Esse terreno como o Ricardo disse, foi comprado por uma empresa daqui de Feira de Santana, em 2011 totalmente legalizada com escritura, tudo perfeito. Em 2013, como eles fazem, a quadrilha identifica o alvo (terreno) que pode ser do poder publico ou particular, invadem, depois cercam, quando não aparecem ninguém, no prazo de 10 a 15 dias, eles começam a levantar muro.
 
"Em 2013, os verdadeiros donos do terreno que pertence a uma clinica aqui na cidade, ao ver a placa de vendas, entraram em contato com Gil, informando que o terreno estaria sendo invadido. Gil, como corretor correto, foi lá e encontrou Gregório no terreno juntamente com uma parte da quadrilha que também está sendo investigada. Houve a primeira discussão, nesse terreno também existe uma placa de venda com o telefone do próprio Gregório. Gil também entrou em contato com ele via telefone. No final de abril e o inicio do mês de maio, Gregório voltou a subir os muros no terreno, onde houve outra discussão no dia 02 de maio, sendo que, desta vez foi mais acirrada e Gregório teria dito que mataria Gil. No dia 21 do mesmo mês, Gregório passou a seguir Gil, por volta do meio dia, começou a escoltá-lo e por volta das 18 horas," explicou João Uzzum.
 
Prisões
O policial militar Rivaldo Leite das Virgens e o segurança Marcos Azevedo Menezes também foram presos, nesta quarta, acusados por participação nos crimes durante a greve da PM, assim como o PM Eudson Cerqueira Cabral. 
O delegado ressalta que os policiais e Marcos não têm envolvimento com a morte de Gil Porto Neto. “O Gregório é o autor e mentor e os outros estão envolvidos em crimes ocorridos durante a greve”, disse o delegado Ricardo Brito. ocorridos durante a greve”, disse o delegado Ricardo Brito.
 
Nesta quinta-feira o policial militar Eudson Cerqueira Carvalho, que estava foragido, foi apresentado.
 
Com os presos foram apreendidos um revolver calibre 38, duas pistolas, dezenas de munição, documento de diversos veículos, um escritura falsa da uma área de terra situada na Avenida Noide Cerqueira, vários cheques e cerca de R$ 10 mil, em dinheiro.
 
Guarda Marcos Vinícius
Questionados sobre a possibilidade de haver ligação entre a morte do empresário e do Guarda Municipal Marcos Vinícius, ocorrida no dia 02 de maio, os delegados informaram que quando se trata de investigação não se pode descartar nada. 
“Qualquer coisa que se diga, nós vamos apurar. Nós vamos investigar e identificar o autor e o executor de quem matou Marcos Vinícius”, disse. A delegada Dorean.

quarta-feira, 30 de julho de 2014

PMs são acusados de envolvimento em crimes praticados por assassino de empresário

Complexo de delegacias
 Após a prisão do autor do homicídio do empresário Gil Marques Porto Neto, ocorrida no dia 21 de maio deste ano, no Largo São Francisco, bairro Kalilândia, a Secretaria de Segurança Publica da Bahia cumprindo mandados de prisões, preventivas e temporárias, prendeu também dois Policiais Militares e um segurança acusados de terem cometidos crimes, no período da greve da Polícia Militar, junto com Gregório dos Santos Teles.

A prisão do autor do crime, do segurança e dos dois PMs ocorreu na manhã desta quarta-feira (30/07). O coordenador regional, delegado Ricardo Brito informou que Gregório dos Santos Teles é suspeito de envolvimento em mais quatro homicídios, ocorridos durante a greve. 
O policial militar Rivaldo Leite das Virgens e o segurança Marcos Azevedo Menezes também foram presos, nesta quarta, acusados por participação nos crimes durante a greve da PM, assim como o outro policial, identificado como Eudson Cerqueira Cabral, que está sendo procurado pela polícia, também por crimes durante a greve. 
 
O delegado ressalta que os policiais e Marcos não têm envolvimento com a morte de Gil Porto Neto. “O Gregório é o autor e mentor e os outros estão envolvidos em crimes ocorridos durante a greve”, disse o delegado Ricardo Brito.
Com os presos foram apreendidos um revolver calibre 38, duas pistolas, dezenas de munição, documento de diversos veículos, um escritura falsa da uma área de terra situada na Avenida Noide Cerqueira, vários cheques e cerca de R$ 10 mil, em dinheiro.
 

Polícia elucida crime do empresário Gil Porto

Armas munição e dinhe
 Em uma operação conjunta, envolvendo Policiais Civis e Militares e o Ministério Público foram cumpridos nesta quarta-feira (30/07), mandados judiciais, e em fim foi elucidado o crime do empresário Gil Marques Porto Neto, ocorrida no dia 21 de maio deste ano, no Largo São Francisco, bairro Kalilândia.

Quatro pessoas foram conduzidas para a Delegacia de Homicídios, no Complexo de Delegacias de Feira de Santana, no bairro Sobradinho, no final da manhã e por volta das 17 horas foi divulgado o nome do autor do assassinato.
Entre os conduzidos estava Gregório dos Santos Teles, que, segundo informações, já foi agente penitenciário. De acordo com as investigações Gregório matou o empresário por causa de um terreno de propriedade de Gil Porto, situado na Avenida Noide Cerqueira.
 
De acordo com informações dos delegados que investigam o caso, Gil e Gregório há viam discutido devido a uma placa de vendas colocado pelo autor do homicídio.
 
“Gil viu uma placa de vendas colocada no terreno e procurou Gregório, para que retirasse a placa, pois o terreno era dele e já havia vendido a área de terra a outra pessoas e mostrou a escritura de posse e venda.  Os dois discutiram e Gil fez uma foto o invasor e ele ficou furioso por ter sido fotografado pelo empresário. Em seguida ele mesmo resolveu executar o dono da imobiliária”, disse o delegado a imprensa.
 
Na casa do acusado, os policiais apreenderam, um revolver calibre 38, mesmo tipo de arma usada no assassinato de Gil Porto, dezenas de munições, um escritura falsa da referida área de terra, vários cheques e cerca de R$ 10 mil, em dinheiro.
 
Também foram apresentados a pfem (policial feminina) Fabiana Kary dos Santos Silva, esposa de Gregório, que foi ouvida e liberada, o segurança Marcos Azevedo Menezes, conhecido como ‘Xexeu’ e o policial militar Rivaldo Leite das Virgens.
 
Envolvimento em outros crimes
 
O coordenador regional, delegado Ricardo Brito informou que Gregório dos Santos Teles é suspeito de envolvimento em mais quatro homicídios, ocorridos durante o período da greve da Polícia Militar. O policial militar Rivaldo Leite das Virgens também foi preso por participação nos crimes durante a greve da PM, assim como Marcos Azevedo Menezes. 
 
Outro policial, identificado como Eudson Cerqueira Carvalho, está sendo procurado pela polícia, também por crime durante a greve. O delegado ressalta que os policiais e Marcos não têm envolvimento com a morte de Gil Porto Neto. “O Gregório é o autor e mentor e os outros estão envolvidos em crimes ocorridos durante a greve”, disse o delegado Ricardo Brito.

terça-feira, 29 de julho de 2014

Duas pessoas ficam feridas após carro pegar fogo em acidente na BR-116

Local do acidente
 Duas pessoas ficaram feridas após a batida entre um carro e um ônibus nesta terça-feira (29/07), no km 668 da BR-116, próximo a cidade de Jequié, a 365 km de Salvador. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o veículo de passeio, que saiu de Jaguaquara, bateu na lateral do ônibus.

Ainda de acordo com a PRF, há suspeitas de que o motorista do carro não tenha percebido que o coletivo iria parar e não conseguiu frear em tempo. Por conta da batida, o carro pegou fogo, mas os passageiros foram retirados antes do incêndio. As pessoas que estavam no ônibus não ficaram feridas. 
As vítimas que estavam no veículo de passeio foram levadas em estado grave para o Hospital Prado Valadares, em Jequié. De acordo com informações da unidade de saúde, o motorista passou por uma cirurgia e passa bem. Já o estado de saúde da mulher, que também estava no carro, é grave. Ela ainda deve passar por alguns exames nesta terça-feira.
Informações e fotos de Fabiano dos Santos/ Site Binho Locutor

Ambulância do Samu sofre acidente na BA-001 e cai em lago com paciente

Local do acidente
 Uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) sofreu um acidente enquanto transportava uma paciente na BA-001, entre as cidade de Itacaré e Ilhéus. O veículo capotou na rodovia e caiu em um lago durante a madrugada desta terça-feira (29/07).

O acidente aconteceu por volta de 1h, já na cidade de Ilhéus. "Dois bois estavam cruzando a pista e a ambulância desviou deles. Ela capotou e caiu no lago, às margens da rodovia", explica a Secretária de Saúde de Itacaré, Estela Cruz. "O condutor conseguiu sair e socorreu os outros que estavam no veículo", relata.
 
Com os celulares molhados, os ocupantes da ambulância ficaram sem comunicação e foram salvos por outras pessoas que passaram pela rodovia. Estavam no veículo o condutor, a paciente, sua filha e uma técnica de enfermagem, que sofreu uma fratura na costela e foi a única ferida no acidente.
 
Segundo Cruz, a paciente que estava na ambulância havia sido esfaqueada em Itacaré. Uma outra ambulância do Samu de Ilhéus a socorreu para o Hospital Luis Viana, também em Ilhéus. Ela deu entrada na unidade médica ainda durante a madrugada e já recebeu alta.
 
A Secretária de Saúde de Itacaré esteve no trecho da rodovia onde aconteceu o acidente. A ambulância ficou parcialmente submersa no lago. O caso foi esclarecido para a Polícia Civil na delegacia de Itacaré e o Departamento de Polícia Técnica (DPT) vai fazer perícia no local.