quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Preso com filhos e neto, Ravengar comandava tráfico no Morro do Águia



Ravengar
O traficante Raimundo Alves de Souza, conhecido como "Ravengar", de 64 anos, preso na madrugada desta quinta-feira (16), em Salvador, comandava o tráfico de drogas na região do Morro do Águia, no bairro de Fazenda Grande do Retiro, enquanto ainda cumpria pena em regime semiaberto pelo mesmo crime. A informação foi divulgada pela Polícia Civil.

De acordo com a polícia, Ravengar foi preso em casa, durante uma operação policial realizada nos bairros de Fazenda Grande do Retiro, Pero Vaz e Paripe, na capital baiana, mas a localidade em que o suspeito morava não foi divulgada. Ele é um dos traficantes mais conhecidos da Bahia.

Conforme a polícia, dois filhos, um neto e a ex-mulher de Ravengar, além de mais um suspeito de fazer parte da quadrilha também foram presos durante a ação. Eles foram identificados como Izidio Alves de Souza Neto (filho), de 41 anos, Emerson Silva Napoleão Souza (filho), 27 anos, Willian Ailton Silva Souza (neto), de 23, Ana Carolina Ramos Vilas Boas (ex-mulher), de 25, e Josué Messias Guimarães dos Santos.

Filhos e neto, além de ex-mulher e outro homem,
também foram presos em operação policial nesta
quinta (Foto: Alan Oliveira/ G1)

A operação foi realizada em 15 pontos distintos dos bairros. A polícia não especificou em que localidade cada suspeito foi preso. A apreensão de armas ou drogas não foi divulgada. Durante a ação, outro homem, identificado Sílvio da Silva Napoleão, também foi preso por tráfico de drogas. Ele não tem relação com Ravengar.

Em entrevista coletiva, realizada na tarde desta quinta-feira, Ravengar se mostrou muito irritado com a prisão e negou a participação dele e dos familiares no tráfico de drogas. Ele disse que trabalhava com a venda de temperos em uma feira. "Eu trabalho entregando temperos. Meus filhos trabalham em lava-jato. Somos inocentes. Isso foi uma emboscada. Não fiz nada. Parece que estou no filme de 'De Volta Para o Futuro'", disse.

De acordo com informações do delegado Alexandre Galvão, do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), o criminoso era investigado desde 2014, quando foram descobertos indícios do retorno dele à prática do tráfico.

Ravengar mostrou estar irritado com a prisão
(Foto: Alan Oliveira/G1)

O delegado informou que, na época, um outro traficante que atua em Salvador precisou de uma grande quantidade de drogas, mas não conseguiu e precisou recorrer a Ravengar, que o forneceu os entorpecentes. O nome do criminoso não foi divulgado.

Segundo o delegado, Ravengar estava em regime semiaberto desde 2012, quando foi transferido do Complexo Penitenciário Professor Lemos Brito, no bairro da Mata Escura, na capital baiana, para o Presídio de Lauro de Freitas, na região metropolitana. Galvão não soube informar se o criminoso cumpria a pena regularmente. Condenado a 22 anos de prisão, Ravengar foi preso inicialmente em 2004.

Após a apresentação na tarde desta quinta, Ravengar e os outros presos foram levados para o Complexo Penitenciário Professor Lemos Brito. Conforme o delegado Alexandre Galvão, a operação que resultou na prisão do traficante é um retorno da polícia para a sociedade.

"Esse é um retorno da polícia para a sociedade. Não pode haver a idéia do rei do crime em nenhum lugar. Isso [a prisão de Ravengar] é fudamental para dar a sociedade a imagem de que há punição para criminosos".

Informações do g1 e fotos Alan Oliveira

'Estou no filme De Volta Para o Futuro 2', diz Ravengar ao ser preso



Ravengar
Condenado a 25 anos de prisão, atualmente cumpridos no regime semiaberto, Raimundo Alves de Souza, o Ravengar, 64 anos, foi preso no início da manhã, em uma casa no Largo do Tanque, e apresentado na sede da Polícia Civil, na Pituba, na tarde desta quinta-feira (16), mais uma vez acusado de atuar no tráfico de drogas ilícitas. Ravengar estava no semiaberto desde 2012.

Ele foi capturado na Operação Petros, deflagrada em 15 localidades nos bairros da Fazenda Grande do Retiro, Pero Vaz e Paripe, na madrugada de hoje. Desta vez, Ravengar foi preso com a ex-companheira Ana Carolina Ramos Vilas Boas, 25 anos, além de dois filhos – Izidro Alves de Souza Neto, 42 anos, Emerson Silva Napoleão Souza, 27 –, e um neto – William Ailton Silva Souza, 23. Foram presos ainda Josué Messias Guimarães dos Santos e Silvio da Silva Napoleão.

“Eles foram na minha casa às 5h da manhã. Na casa de meus filhos, meus netos, e não achou um pingo de drogas, velho”, reclamou Ravengar, ao negar que tenha voltado à vida do crime.

Dos sete mandados de prisão, seis foram cumpridos na operação, que envolveu 50 policiais. A delegada Andréa Ribeiro, coordenadora de Narcóticos, e o delegado Alexandre Galvão, do Draco, foram os responsáveis por conduzir a apresentação dos presos. “Foram dois anos investigando esse grupo”, comentou Galvão. Outras quatro pessoas foram detidas na operação e uma permaneceu presa, totalizando sete prisões.

Filme repetido
Exaltado, Raimundão comparou a prisão a um filme hollywoodiano. “'Estou me sentindo no filme De Volta Para o Futuro 2'”, disse, e voltou a questionar a investigação. “Mande a polícia apresentar um pingo de droga. Isso aí quer o que, velho? Eu estou há quatro anos solto. Eu tenho a minha atividade limpa. Eu tenho uma tristeza. Meu filho trabalha na feira”, comentou.

Ravengar também diz não representar um perigo para a sociedade e questionou sua prisão. “O que a Lei de Drogas fala? Pra você ser um grande líder de organização criminosa, você tem que ter uma vultosa soma no banco, você tem que ser pego com uma grande quantidade de drogas e você representar perigo pra sociedade”, concluiu.

Investigação

De acordo com o delegado Galvão, Ravengar vem sendo investigado desde 2014. Ainda segundo ele, um traficante de outra localidade entrou em contato com Raimundo para conseguir uma quantidade de droga. "

Temos um informe de um investigado por tráfico de drogas que entrou em contato com ele [Ravengar] para conseguir uma partida de droga que naquela oportunidade só Ravengar teria", contou galvão na coletiva. O delegado, por sua vez, não revelou qual seria a droga requisitada bem como a quantidade.

Galvão ressaltou ainda que a prisão de Ravengar deixa claro que não pode haver a figura do "Rei do Crime". "A prisão de um indivíduo que voltou a delinquir após ter cumprido parte de sua pena é fundamental para dar à sociedade a sensação de punição e de capacidade de reação do estado frente ao crime", completou.

Informações e foto do CORREIO 24 HORAS

TJBA vai instalar núcleo de prisão em flagrante em Feira de Santana



Adiaençia
A criação de um Núcleo de prisão em Flagrante para concentrar a realização de audiências de custódia e o anúncio do cronograma de sessões do Júri até maio marcaram a participação do Tribunal de Justiça da Bahia na reunião do programa Pacto pela Vida, realizada na manhã desta quinta-feira (16), em Feira de Santana.

A presidente Maria do Socorro Barreto Santiago, presente ao encontro, realizado no Batalhão de Ensino, Instrução e Capacitação da Polícia Militar, falou sobre a instalação de um local específico para julgar as prisões em flagrante na comarca, situada a 108 quilômetros de Salvador.

As audiências de custódia já são realizadas normalmente na comarca. O objetivo com a criação, é centralizar os trabalhos para tornar mais produtivos os trabalhos, que envolvem magistrados, representantes do Ministério Público, advogados e, quando for o caso, defensores públicos.

"Teremos mais produtividade e organização com a criação do núcleo", disse a presidente.

Cronograma - Foco das atividades do programa, os crimes contra a vida também estão merecendo atenção especial do Tribunal de Justiça. Titular da Vara do Júri, a juíza Márcia Simões afirmou que serão realizadas duas sessões por semana, sempre às terças e quintas-feiras. "Estamos com o cronograma pronto para os próximos três meses", explicou.

A organização das sessões é apenas parte do trabalho que vem sendo desenvolvido na unidade. Nos últimos seis meses, mais de 800 processos foram baixados - tiveram sentença, com a posterior alimentação dos dados no sistema eletrônico.

"Estamos fazendo um saneamento na unidade e a nossa meta é baixar mais 800 processos até julho", explica a juíza.

Dois homens são assassinados dentro de carro no bairro Calumbi



Local dos crimes
Dois homens foram assassinados a tiros, na manhã desta quinta-feira (16), na Rua Enedrina, no loteamento Tropical, no bairro Calumbi, as margens da Avenida Eduardo Froes da Mota, em Feira de Santana.

As vítimas foram identificadas como Aloísio Borges da Mota Junior, 31 anos, conhecido como “Fifó”, que residia no bairro Nova Esperança, e Jadison Amorim Queiroz, 22 anos, que morava no bairro Baraúnas.

Eles estavam em um veículo Fox preto, de placa NZS-6467, licença de Feira de Santana, quando foram surpreendidos por homens que estavam em uma motocicleta XRE 300.

Fifo e Jadson estavam no interior do veiculo Fox, quando foram abordados pelos assassinos, que de armas empunho deflagraram diversos tiros acertando vários disparos acertando varias partes do corpo dos dois, principalmente na região da cabeça. Ainda de acordo com a polícia, Fifo estava no banco do condutor, enquanto Jadson no banco de trás.

Segundo relato de testemunhas, no interior do carro havia mais pessoas e que os mesmos conseguiram fugir sem serem feridos. Policiais da 65ª Companhia Independente de Polícia Militar (65-CIPM), foram acionados e de imediato seguiram ao local, onde realizaram buscas pela região, mas não conseguiram identificar o ou os autores do duplo homicídio.

Policiais do Serviço de Investigação da Delegacia de Homicídio e Proteção a Pessoa (DHPP), juntamente com Peritos do Departamento de Polícia Técnica (DPT), sob o comando da delegada Larissa Lage, compareceram ao local do crime, onde realizaram o levantamento cadavérico e deram inicio às investigações.

Foragido da justiça de São Paulo é preso em Feira de Santana



Acusados preso
Após denuncias anônimas, policiais civis do Serviço de Investigação da 1ª Coordenadoria, com apoio da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR),  de Feira de Santana, sob o comando do coordenador João Rodrigues Uzzum prenderam na tarde desta quarta-feira (15/02), Edielson Santos Lima, 25 anos, em uma residência, localizada no bairro Três Riachos, em Feira de Santana.

 Ele é acusado de matar um evangélico no ano de 2015, no município de São Carlos, no estado de São Paulo. Segundo informações dos investigadores, após o centro de inteligência da 1ª Coorpin terem recebido uma ligação anônima, duas guarnições foram deslocadas ao local da denuncia, em uma residência localizada nos Três Riachos, onde lá estaria escondido um foragido do Estado de São Paulo. Os investigadores se deslocaram e após ser feito o cerco à residência do acusado, o mesmo se entregou sem esboçar reação.

Na delegacia, Edielson, que é natural de Feira de Santana confessou que teria praticado um homicídio na cidade de São Carlos-SP no ano de 2015. Em consulta ao Infoseg e CNJ foi constatado que havia um mandado de prisão preventiva expedido pela 2ª Vara Criminal de São Carlos-SP. Tendo então recebido voz de prisão e encaminhado aos exames de praxe, sendo que, será levado a Polinter para ser recambiado para o Estado de São Paulo.

Edielson Santos de Lima assassinou em 2015, o músico e evangélico Helder Marcelo de Oliveira, 42 e logo em seguida houve o pedido de prisão temporária decretado. A representação foi feita pelo delegado do 3º Distrito Policial, Aldo Donisete Del Santo.

Foi o 16º homicídio ocorrido em São Carlos em 2015 e algumas testemunhas que presenciaram o crime prestaram esclarecimentos à Polícia Civil e relataram que a discussão teria sido em decorrência de uma cantoria em louvor a Deus que estaria irritando Helder.

Quatro pessoas são presas pela PF por abrir contas bancárias falsas em Feira de Santana



PF de Feira de Santana
 Policiais Federais do posto de Feira de Santana prenderam nesta segunda-feira (13/02) quatro homens acusados de aplicar golpes contra a Caixa Econômica Federal. Durante a ação, eles também apreenderam três veículos e vários documentos falsos em uma residência na cidade.
De acordo com o delegado da Polícia Federal, Fábio Marques, os homens que não tiveram os nomes divulgados, são integrantes de uma quadrilha que frauda contas bancárias e faz empréstimos bancários usando documentos falsos. Uma das contas foi aberta na agência da Caixa Econômica da Avenida Getúlio Vargas, por onde os policiais em Feira iniciaram a investigação, que resultou na prisão do grupo.
 
 Três deles foram presos na cidade de Conceição do Jacuípe quando tentavam sacar a quantia de 13 mil reais. O quarto envolvido foi encontrado em uma residência em Feira de Santana após a prisão dos três.
 “Há cerca de duas semanas a Caixa Econômica da Agência da Getúlio Vargas, acionou o posto da Polícia Federal para solicitar um apoio na averiguação de uma possível fraude. Fomos informados de que um sujeito com documento falso tentou sacar 12 mil reais, só que no deslocamento da equipe, o sujeito desconfiou da demora e fugiu da agência. A gente passou, através das fotos, a monitorar a tentativa de novas fraudes e identificamos que ele abriu conta também em outras agências da Caixa e em uma do banco Itaú”, disse.
 
O delegado relatou que a quadrilha sempre usava o mesmo método para executar a fraude. Eram os mesmos documentos falsos e as mesmas impressões digitais, mudavam apenas a fotografia dos documentos.
 
“Passamos a monitorar a quadrilha que se instalou aqui na região e a partir de alertas identificamos outras contas fraudadas. Eles alugaram uma casa em Feira, e hoje foi pego um dos elementos tentando sacar 13 mil reais na agência de Conceição do Jacuípe, ocasião em que conseguimos prender mais dois integrantes que aguardavam no lado de fora. Quando os conduzimos para Feira de Santana fomos até a casa onde eles estavam alojados e identificamos outro integrante da quadrilha. Lá apreendemos vários documentos falsos, veículos, e várias informações de contas fraudadas, que passarão por uma análise da polícia para quantificar o total de prejuízo que a quadrilha deu para a instituição bancária”, relatou o delegado.
A polícia vai investigar a procedência dos veículos, se também são produtos de fraudes ou financiamento com documentação falsa.
“Eles disseram no depoimento que os documentos falsos eram adquiridos de uma pessoa no Rio de Janeiro, que encaminhava por uma transportadora, e eles estariam aqui só com a função de abrir contas fraudadas em instituições bancárias com utilização de documentos falsos, onde também pediam empréstimos e com comprovantes de renda falsos os empréstimos eram liberados. Eles faziam saques e ficavam com uma porcentagem deste dinheiro e o restante era entregue para o líder da quadrilha, que provavelmente é esse que está lá no Rio de Janeiro”, informou.
 
De acordo com o delegado a quadrilha já passou por Brasília, e após esgotar as chances de fraudes em Feira de Santana seguiriam para Salvador e outros estados. Eles estão na cidade há cerca de 20 dias. Será feito um levantamento para identificar quantas contas foram fraudadas e o prejuízo estimado, bem como há quanto tempo eles aplicavam o golpe.
 
Os quatro estão à disposição da justiça e foram levados para o Conjunto Penal de Feira de Santana. Eles responderão pela prática dos crimes previstos no artigo 171 do Código Penal (estelionato) e 288 (quadrilha ou bando).
Informações do repórter Aldo Matos do Acorda Cidade

Um homem morre e quatro foram presos após confronto com a PM



Material apreendido
Um homem morreu e quatro foram presos após trocar tiros com Policiais Militares do Pelotão Especial Duas Rodas da 65ª Companhia Independente da Polícia Militar. O confronto aconteceu por volta das 8h30 desta segunda-feira (13/02), no bairro Pedra do Descanso, em Feira de Santana.

Segundo os policiais, a guarnição estava em ronda pelo bairro quando avistou pessoas que fugiram ao perceber a presença da polícia. Edywilson Nascimento de Jesus, que era mais conhecido como “Diurca” foi baleado e socorrido para o Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA), onde não resistiu e morreu.

O confronto aconteceu entre os bairros Pedra do Descanso e Jussara. Diurca era suspeito de integrar uma quadrilha de traficantes, que também praticam assaltos na cidade e possivelmente tinha envolvimento em homicídios.

Ainda de acordo com a polícia, Edywilson, tinha uma ficha criminal imensa, estava em posse de uma pistola .40, modelo 940 com cinco munições intactas. Durante buscas pelo local, foram encontrados quatro elementos escondidos em uma casa, sendo que, no interior da residência foi encontrado um revólver calibre 32, munições de vários calibres (32, 357,9mm,.40 e 38) , 02 celulares e 05 pedras grandes de crack.

Durante a troca de tiros dois homens armados conseguiram fugir pelo telhado das casas. Os quatro suspeitos que foram conduzidos para a delegacia são do bairro Jussara, e de acordo com os PMs todos possuem passagens por delegacias.